[Quarto da Lire - Noite]

 

Queria pular logo aquela parte, apenas acenou com a cabeça, mas deixou incerto sua opinião. Se apoiou em um dos braços enquanto encostava a compressa que havia preparado em seu abdômen, manteve um silêncio meio culpado.

Balançou a cabeça, então continuou. - Bom. Meio a meio? Os ovos acho justo ficar com você. - Foi direta nesse ponto, achava razoável sua oferta, mas pretendia fazer umas trocas. Olhava para tudo aquilo e parecia perdida, perguntou para Sieg mais como se procurasse sugestão.  - Aliás, o que pensa em fazer com os tudo isso? Eu não faço a menor ideia, a não ser vender. Mas materiais como esses você não encontra toda a hora, vender-los pode ser um desperdício.

O imortal ponderou diante da oferta: não tinha nenhum uso para os ovos, na verdade não tinha nem mesmo interesse em muito dali, salvo pelas escamas qual pretendia forjar uma armadura - e o dinheiro que conseguiriam, claro. Observando a loira que ainda sentia alguma dor, pensava sobre o que fazer com tudo aquilo. - Não tenho muito interesse nos ovos. Acho que poderíamos levar em um especialista e descobrir o que são, e o que valem. - Sugeriu. - Se for de seu interesse poderemos rachar, nem que seja o dinheiro. - Completou a sentença. Mesmo que tivera sido ele a ir buscá-los ao menos Lire o havia ajudado em muita coisa.

-De resto acredito que vou usar uma parcela do couro e escamas para forjar uma armadura. - Explicou. - Ou mesmo uma bolsa que consiga resistir melhor às minhas chamas. Seria útil eu não ter que perder todas as coisas se alguma coisa ruim acontecesse. - Novamente ponderava, mas não via muitas outras utilidades. - Quanto as pedras, os cogumelos e o quartzo? As pedras e os cogumelos poderíamos levar para Serdin. Os magos lá vão saber nos dizer o que são. O quartzo, no entanto, não tenho interesse algum. - Foi sincero. - É bonito, sim, mas não tenho onde colocá-lo e sei que não vai me retornar muito dinheiro.

Apoiou-se na parede, alguns de seus músculos ainda estavam cansados, afinal fora uma viagem e tanto. - Os chifres não acho que terão outra utilidade além de carregar o Lupus e arrumar dinheiro. Os ovos, dependendo do que forem, podem ser mais úteis, mas não tenho certeza.

[Quarto da Lire - Noite]

Deixou o imortal acabar de falar, coçou a cabeça e tinha uma expressão de desconforto que não podia esconder. Respirou fundo antes de continuar. - Eu… concordo, talvez. Bom, ele estava lá, talvez uma porção das escamas? - Não importando o que acontecera na caverna, não achava justo deixar o haros sem algum tipo de recompensa.

Tomou a liberdade de separar trinta escamas vermelhas e as empilhou em um dos cantos, ergueu as sobrancelhas ao olhar para o gladiador esperando uma aprovação. 

Ele acenou com a cabeça, concordando. - Não sabemos o valor das escamas também. Pode ser que dê bastante dinheiro. - Tentou se convencer, e à elfa, de que ele se contentaria apenas com aquilo. - Resta só entregar a porção dele. Afinal, como ele não buscou, não carregou e não ajudou, vai ter que ficar contente com só isso. - Decretou, esperando que a elfa pensasse o mesmo.

[Quarto da Lire - Noite]

lire-eruel-gct:

A elfa subia as escadas com pressa, seguida pelo imortal, e entrou em seu quarto, parando logo perto a entrada. - Fique a vontade, pode sentar se quiser. - Apontou para a cama, que estava bem arrumada. O quarto inteiro era bem organizado e limpo, sem contar toda a decoração de design élfico em dourado e verde, refletia bem a dona. A única coisa que estava fora do lugar era um cheiro peculiar que vinha da sua penteadeira, que ambos reconheciam muito bem.

O fungo que havia coletado e os dois pedaços de quartzo ainda estavam impregnados com o cheiro, mas não o bastante para virar uma preocupação, e o algodão que tapava o pote que estavam os cogumelos não deixava vazar os esporos. A elfa parecia não perceber, estava calma e não fez nenhum comentário. Apanhou dois baús pequenos que continham as cento e noventa escamas vermelhas e amarelas e as doze pedras quentes, e pôs por perto os dois metros de espinha dorsal. O couro de cinco por dez metros ainda enrolado estava dobrado de maneira cuidadosa num dos cantos, e era muito pesado para ficar levando por ai.

- Bom, é isso ai, junto com o quartzo e os cogumelos. - Já que estava em seu quarto decidiu sentar-se no chão logo depois de fechar a porta. 

Ele ficou um tempo parado, em pé. Observava o local com calma. As vezes parecia que não, mas o imortal era um tanto detalhista e observador, encarava o quarto da elfa como um território desconhecido e, portanto, procedia com calma.

Sua atenção ainda estava voltada para os detalhes dos móveis quando ela começou a falar, mostrando todas as coisas possíveis. Conforme apontava fazia uma recordação mental do que era. Realmente haviam trazido muita coisa.Os chifres eu vi lá embaixo, ou supus que eram, embaixo do toldo. - Comentou, completando o que ela falava. - E os ovos estão no meu quarto. - Disse e respirou fundo, tossindo um pouco com o cheiro, tinha, no entanto, esquecido dele. Limpou a garganta. - Isso com certeza vai dar um bom dinheiro. Só temos que saber o que vamos fazer com o caçador que não ajudou tanto assim.

Não tinha nenhum escrúpulo para falar. Se o achava, falaria. E realmente achava. Daquela vez a missão não tinha sido auxiliada em muito pelo caçador, na verdade se tivessem ido ele e a elfa provavelmente teriam avançado mais rápido. Resmungou alguma coisa, por mais que não estivesse contente em dividir as coisas com ele, não achava justo manter todo o lucro para ambos. Ainda existia um quê de honestidade dentro de si.Acho que deveríamos dar algumas escamas para ele, menos de um terço no entanto, apenas para que fique feliz. - Sugeriu. - Porque não me sinto à vontade de dividir nada além disso. Ele não fez por merecer desta vez. - Explicou seus pensamentos.

[Cozinha - Noite]

Limpou o resto do que tinham sujado para fazer os bolinhos, e os colocou no escorredor. Esticou uma das mãos para pegar outro, mas só sentiu a sua palma encostar no mármore frio, teve que olhar para acreditar que todos os bolinhos se foram. Tentou disfarçar o gesto, não queria tirar o bolinho de ninguém.

Secou as mãos no pano que tinha por perto, aproveitou e encheu a compressa com água quente da torneira. O comentário sobre os ovos a fez lembrar dos mesmos. - Ah! Sim os ovos… Acabou que quando paramos, a carroça que carregava os ovos se atrasou, então eles devem ter chegado mais tarde. - A compressa estava pronta, não prolongou muito mais então seguiu para fora da cozinha, antes se despedindo da paladina e chamando o imortal. - Boa noite Holy, durma bem. Vamos, Sieg?

Ela degustava seu bolinho lentamente enquanto observava Sieg devorar uma boa parte rapidamente… e não deixar para Lire. Estufou um pouco as bochechas, mas acabou deixando rolar… até perceber que ainda tinha dois em sua posse - E-esses são pra Arme e Chaserrot… - Explicou, um pouco envergonhada.

Ouvia sobre o que conversavam. "Ovos? … Ah, são espólios de missão…? Legal…." deu um pequeno sorriso. Mas já não conseguia pensar tanto mais, pois o sono começava a bater.

Enquanto chacoalhava o rosto pra pelo menos acordar um pouquinho, ouviu Lire - Ah! Boa noite! .. Pra você também, Sieg.. - E deu outro sorriso, ficando ali sentada mais um tempinho.

-Boa noite limãozinho. - Sorriu e se levantou, como que de praxe, passou a mão em seu cabelo, bagunçando-o em uma despedida carinhosa. - Qualquer dia desses a gente faz mais bolos. - E riu.

Acenando saiu da cozinha, seguindo a elfa pelas escadas. 

[Cozinha - Noite]

Balançou a cabeça dando uma pequena risada. - Ah, ok. Bom, deixe eu ver como ficou. - Depois que os dois se serviram, pegou um dos bolinhos e deu uma pequena mordida, o bastante para provar. Fazia muito tempo que o paladar da elfa saboreava algo que não fosse ração de acampamento ou pão e frutas secas, provou com bastante gosto e sua expressão deixava isso óbvio.

- Há, estão maravilhosos. - Jogou o resto da pera que tinha antes tentado comer na lixeira enquanto terminava o resto do cupcake, que a deixou saciada e consideravelmente mais contente naquele momento. Olhou para o moreno e acabou lembrando que ainda tinha que resolver sobre os espólios do dragão. - Ah, Sieg, você não quer aproveitar que acabamos e ir lá pro meu quarto ver logo nossa parte? Eu posso lavar a louça. - Prontificou, começando já a limpar o pote e a colher com rapidez.

Riu mais um pouco da fala de Sieghart. Já tinha começado a entender o seu jeito egocêntrico, mas levava como brincadeira quase todas as vezes. Bom, pelo menos dessa vez ela acertou. Depois de comer o seu olhou para os seis restantes.

"Arme precisa provar disso também… vou separar logo os dela!"

E logo então separou outros três bolinhos, sendo que um deles pegou para si e começou a comer. Parecia que ela estava sendo gulosa, degustando um enquanto “abraçava” os outros dois na mesa…

O moreno pareceu amuar-se um tico ao ver que aos poucos todos os doces desapareciam, mas acabou aceitando. Devorava seu terceiro bolinho no momento, deliciado demais para fazer qualquer tipo de comentário até ouvir a elfa. Engoliu o último pedaço e lambeu a ponta dos dedos. - Seria uma ótima ideia. Conversar quanto vamos ganhar e não lavar a louça parece uma ótima solução de vida. - Comentou jocoso. Depois roubou um dos últimos bolinhos. - Ah, e os entregadores deixaram os ovos comigo, por qualquer motivo.

[Cozinha - Noite]

- Por necessidade? - Fez uma expressão perplexa, enquanto isso foi apanhar a compressa que havia deixado para esvaziar. Viu que a maga estava saindo. - Boa noite, Arme, durma bem.

Retornou para perto do imortal que agora fazia a cobertura. Estava entretida observando-o fazer aquilo com certa habilidade. - Nem imagino que necessidade foi essa. 

- Ehehe… - Não pediu outra colher… afinal, teria que sobrar pros bolinhos. A piscadela não lhe fez muito efeito, mas continuou com o rosto corado por um tempo.

Reparando nas falas de Lire, comentou - Necessidade de bolo?… Ehehe~ - riu um pouco da situação - Sieg deve ter ficado um bom tempo sem comer pra ficar com tanta vontade. - E então olhava os cupcakes sendo cobertos pela… cobertura, é. Lambeu os lábios enquanto esperava os outros ficarem prontos… e depois disso pegou um dos cupcakes, saboreando enquanto fazia caras e bocas de Ana Maria Braga. - Hmmm~ - (só faltava ela soltar os bichos. Tem algum ímã de geladeira aí?)

-Necessidade por doces, oras. - Respondeu como se fosse o óbvio. Deixava levar de qualquer maneira, deixando a panela e a colher suja junto com o resto da louça. - Deliciem-se por essa dádiva de Deus que fiz. - Seu tom era arrogante, mas não passava de uma brincadeira.

Depois de lavar as mãos dos resquícios de comida, ele mesmo pegou um dos cupcakes, comendo-o com gosto. - Ah, muito melhor.

[Cozinha - Noite]

Recebeu o doce da paladina e a agradeceu. Acabou comendo tão rápido e estava tão sonolenta que mal sentiu o gosto de chocolate.

- Uh, eu preciso mesmo ir dormir. - pos a colher “limpa” na mesa e levantou - Holy, pode levar bolinhos pra mim depois? Meu quarto é o terceiro n segundo andar, na esquerda. - Errou. Aquele seria o quarto do imortal, mas não pensava bem o suficiente para se lembrar de direções. Falava apenas para ela.

Só depois virou-se brevemente para os outros dois. - Boa noite pessoal, eu não me aguento mais. - assim que despediu-se, deixou a cozinha coçando os olhos.

-Há muito tempo. Aprendi por necessidade. - Esclareceu para a elfa, depois comentou, avisando as garotas, que o chocolate provavelmente estaria quente ainda, mas elas deram o jeito delas.

Notou que a paladina servia a maga, então ele mesmo pegou a colher que usava, pegando o doce das bordas, onde estaria um pouco mais frio, e quando ela virou-se para pegar para ela, ele ofereceu o doce. Ouviu entao a maga. - Boa noite roxa. Já vai tão cedo? - Perguntou, mas ela parecia realmente cansada. Não pensou no local onde ela explicava, não percebendo que era seu próprio quarto. - Vou pensar se vou deixar algum doce para você. - Brincou.

- Hunn, tá bem, Arme… Boa noite… - E logo viu a colher estendida a ela, percorrendo com o olhar a extensão do braço até ver Sieghart. Corou um pouco, mesmo com ele observando a maga ainda. - O-obrigada.. - Involuntariamente egueu a mão pra segurar a colher, mas acabou abocanhando do jeito que ele a dera, dando um sorriso logo em seguida enquanto saboreava - ficou muito bom!

Ele deu um sorriso de canto enquanto observava a cena. Sua face era uma incógnita, ele escondia o brilho malicioso de seu olhar com o sorriso tranquilo, parecendo sereno. Levou a panela de volta ao fogão. - Muito obrigado. - Agradeceu. - Se quiser mais uma colher é só pedir.

Piscou um olho no final da sentença e depois viu que a elfa já havia retirado os bolinhos com atenção, virando-se para terminar de preparar os doces. Agora era desenformá-los - o que ele fazia com habilidade - e, depois, pegou a panela, e armado de uma colher própria, passou a calda com todo o cuidado em cada um dos doces, deixando-os perfeitos. - Pronto. - Sorriu.

[Cozinha - Noite]

Esticou rapidamente um dos braços e usou o indicador para pegar um pouco do chocolate que sobrou da borda, provando a cobertura com gosto. - Hmmm, tá bom! - Estava impressionada de certa forma, não esperava estar tão bom. - Desde quando você sabe fazer bolo?

Já havia se passado por volta de vinte minutos, os bolinhos estavam bem grandes e pareciam prontos. Desligou o forninho e preparou para retirar-los.

Ainda com o rosto na mesa, disse apenas um “un” como  resposta à paladina e depois não se moveu mais. Aparentemente havia pego no sono, porém ao ouvir “provar a calda”, ergueu-se de uma vez.

- Eu quero, eu quero! - Disse em auto e bom som, mas não saiu do lugar. O Chaserrot adormecido em seu colo apenas fez uma careta incomodada.

- Obaa! - comemorou ela com o convite de Sieghart e começou a andar até ele… mas depois viu que Arme ficou parada ali. "Ué…? Ah, ela tá com sono!"

Chegando bem perto de Sieg, “ignorou-o” e com uma colher pegou um pouco da calda. Segurando a mão por baixo da colher, levou-a até Arme. - Aqui ó!

Ela realmente colocava os outros acima de si, para servir… mas as vezes esquecia de certas delicadezas por estar completamente focada.

Recebeu o doce da paladina e a agradeceu. Acabou comendo tão rápido e estava tão sonolenta que mal sentiu o gosto de chocolate.

- Uh, eu preciso mesmo ir dormir. - pos a colher “limpa” na mesa e levantou - Holy, pode levar bolinhos pra mim depois? Meu quarto é o terceiro n segundo andar, na esquerda. - Errou. Aquele seria o quarto do imortal, mas não pensava bem o suficiente para se lembrar de direções. Falava apenas para ela.

Só depois virou-se brevemente para os outros dois. - Boa noite pessoal, eu não me aguento mais. - assim que despediu-se, deixou a cozinha coçando os olhos.

-Há muito tempo. Aprendi por necessidade. - Esclareceu para a elfa, depois comentou, avisando as garotas, que o chocolate provavelmente estaria quente ainda, mas elas deram o jeito delas.

Notou que a paladina servia a maga, então ele mesmo pegou a colher que usava, pegando o doce das bordas, onde estaria um pouco mais frio, e quando ela virou-se para pegar para ela, ele ofereceu o doce. Ouviu entao a maga. - Boa noite roxa. Já vai tão cedo? - Perguntou, mas ela parecia realmente cansada. Não pensou no local onde ela explicava, não percebendo que era seu próprio quarto. - Vou pensar se vou deixar algum doce para você. - Brincou.

[Cozinha - Noite]

Um pouco antes de por as formas no forninho, a elfa deixou-o pré aquecendo. Parecia entretida, mantendo seu silêncio reservada em pensamentos, não percebeu mas começou a esboçar um sorriso sereno no canto de sua boca. Só não sabia se era o que estava pensando ou o medicamento a deixando um pouco zonza.

Pôs os bolinhos no forno e verificava de tempos em tempos como assavam para não deixar nenhum queimar, se apoiando com os braços na bancada.

- Eu tô com sono, mas eu quero bolo. Se eu for dormir agora, amanhã não vai ter mais nada porque o Sieg vai comer tudo sozinho - ela resmungou para a paladina enquanto apoiava a testa na mesa.

- AHW! Não enquanto eu estiver aqui! Vou te acordar se você dormir e… bom, acho que posso guardar uns pra você l-longe dele. - A paladina olhou pro Sieghart enquanto falava. Tinha perdido um pouco o rubor, mas ainda estava envergonhada pela situação. - Os bolinhos… Ahwnn…. vamos ver… acho que vou levar pra Edna também…

Aos poucos juntava os ingredientes e terminava de preparar a mistura. Fora bem rápido, na verdade, mas o ideal é que deixasse a calda esfriar um pouco antes de colocar nos cupcakes, por isso fizera tão antes. Desligou o fogo e pegou, com a colher que usara para misturar, um tanto de chocolate feito, deliciando-se com o doce. - Querem provar a calda? - Ainda ofereceu, alheio à conversa que as mais novas tinham. 

Eu tinha que postar isso em algum lugar e, como eu ainda não sei se está completo/vai ter alguma continuação ou não, vou só largar aqui mesmo. Tá em Read More porque não faz parte do RP, então não é pertinente se você não tiver saco pra ler, por mais que se passe no universo de Grand Chase.

Culpem meu professor de HeoFR por isso. Uma boa noite.

Read More

[Cozinha - Noite]

Alheia aos demais, a maga arrastou uma cadeira até a geladeira para que pudesse pegar o mascote sem ter que puxá-lo pelos pés. “estacionou” a cadeira lá, subiu, pegou Chaserrot com cuidado e desceu; passou a segurá-lo com um braço só para que pudesse por a cadeira no lugar.

Feito isto, sentou-se nela, na outra mesa (a que não estava bagunçada). Já estava visivelmente lenta e pestanejava bastante.

Ainda um pouco cega de vergonha, demorou a entender por que Arme subia na cadeira - Chase—!! - Ela disse, mas logo tapou a boca por ver que ele estava dormindo.

Esquecendo-se de Lire e Sieg, foi até a maga pra ver o pequeno pet. - Que fofo~ - soltou como se fosse um pequeno chilique, no entanto falando baixinho. Esqueceu-se momentaneamente de tudo que estava fazendo ali na cozinha…

Enquanto a elfa colocava os bolinhos no forninho, o moreno procurava pelas sacolas em busca do que queria. Finalmente achou o creme de leite, bem como o leite condensado, e armado de ambos, uma panela e o resto do chocolate em pó, aproximou-se do fogão, já começando a fazer a calda que cobriria todos os bolinhos.

[Cozinha - Noite]

- No armário? - olhou na direção indicada. Armário no alto.

A maga emburrou-se, não alcançaria ali sem uma cadeira então deixaria que Lire se prontificasse desta vez.

E há algum tempo estava sentindo falta dos guizos do mascote. Quando procurou por ele, só via seus pés na frente do congelador e a barriga inchando e desinchando. Chaserrot dormiu em cima da geladeira. Realmente, já estava ficando tarde. A maga só não ia pra cama agora por teimosia e gula.

Acabou sentindo algo puxar seu vestido… e logo depois o “elogio”.

Ficou sem entender muito bem, mas achou que ele tinha visto a limpeza do fogão… e já estava bom desse jeito, removeu o grosso e o que restava era um pouco que caiu perto da boca do gás, que foi coletando com as mãos.

Após alguns segundos mais, ela sentiu a suspeita - U—uhhh… sim.. a-acho que já está bom aqui. - E foi saindo do fogão, sentindo um chilique, e com o rosto vermelho. "Será que minha saia levantou?" Pensava enquanto jogava os restos na lixeirinha, logo depois ajeitando o vestido.

Seguiu em direção ao armário que foi apontada, apanhando as forminhas sem demorar muito, e voltou com as mesmas em mãos. Se deparou com o moreno se aproveitando da posição de desvantagem da paladina.

Andou rápido até ele, antes deixando a compressa que já não estava mais esquentando em um canto da mesa, segurando uma das forminhas na mão livre e deu com a mesma na cabeça do imortal, não muito forte. - Ei, pare com isso! - Cochichou.

No momento em que a elfa se aproximara, Holy já havia se afastado. Passou a mão pelo topo da cabeça, reclamando baixo apesar de nem tê-lo realmente machucado. Cochichou de volta. - A culpa dessa vez não é minha. E eu estava abaixando a saia dela. - Explicou com as mãos, forjando sua mentira. Piscou um olho.

Pegou as forminhas e levou-as até a massa do bolo, finalmente enchendo-as e as colocando uma do lado do outra em uma travessa própria para o forninho. - Eu espero que dê certo. - Avisou e entregou a travessa para uma das meninas colocar no forno menor. - Vou fazer a calda enquanto eles não ficam prontos.

[Cozinha - Noite]

lire-eruel-gct:

O moreno negou a ideia do forninho de imediato. - Nunca fiz em um desses. Provavelmente vai dar errado. - Mas concordou com a paladina. - Isso provavelmente sai mesmo. Deixe-me tentar. - Levou a mão ao metal, agora que o fogo estava desligado, e desencaixou a placa, levando-a para um local que pudessem lavar sem fazer - muita - sujeira.

Seus olhos iam de um à outros entre presentes quando cada um falava ou se movia. Realmente, não estava ajudando.

- Se fosse um daqueles bolinhos pequenos, cupcakes, caberiam no forninho. - resmungou.

- Cupcakes são uma boa ideia também… - Disse, mas depois de pegar a palha de aço passou a esfregar o interior do fogão, recolhendo com a mão o que caía. Ainda esfava um pouco quente ali, mas estava suportável. - Mas num piscar de olhos isso aqui tá limpo!

Inocente como era, não perceberia isso, mas se debruçar no interior do fogão enquanto usa um vestidinho não é uma atitude de moça direita.

- Mesmo se vocês limparem o forno, ainda vai ficar com o cheiro de queimado, não é? Mas a ideia dos bolinhos eu gostei. - Preferiu acabar com o silencio que mantinha. Só não sabia se eles tinham as formas para fazer-los. - Arme, você sabe aonde estão as formas?

Deu uma volta pela cozinha, procurando dentro dos armários por algo que pudesse usar para assar a massa.

O moreno não estava contente com a ideia de usar o forninho. Alguma coisa provavelmente daria errado. Mas já que todas pareciam decididas em usá-lo, apontou o armário para ambas as fofoqueiras. - Guardo as formas de cupcake naquele armário. 

Ainda passou pela paladina e segurou sua saia, não deixando a visão tão livre - afinal não sabia quem ia entrar na cozinha -, mas manteve o sorriso pervertido. Limpou a garganta antes de continuar. - Muito bom. - Elogiou, meio ambíguo não deixou claro sobre o que se referia. Claramente o moreno reparara em suas partes de trás.